Efeitos da pornografia no corpo e no cérebro humanos

O que a pornografia faz com o seu cérebro?

Como seres humanos, temos uma mente complicada e um sistema corporal.

Como seres humanos, temos uma mente complicada e um sistema corporal.

O que tem um efeito positivo em nosso cérebro e o que não tem?

Mas, graças à ciência e à pesquisa hoje, conhecemos os efeitos de várias atividades e produtos em nosso cérebro e corpo.

Felizmente, a ciência também descobriu como a pornografia na Internet afeta o cérebro e o corpo humano. Agora que temos essas informações, nunca é tarde para aprender. É uma questão complexa, mas, como um carro, não precisamos saber tudo sobre o motor para aprender a dirigi-lo com segurança.

Agora, a pornografia na internet mudou a cena pornô completamente.

Há uma diferença gritante na pornografia através dos tempos. Com o amplo alcance da internet, a pornografia está em toda parte. Qualquer pessoa com um smartphone decente pode acessar facilmente a pornografia com apenas o clique de um botão.

Como resultado dessa internet, a pornografia afeta o cérebro de uma forma muito mais direta e inconsciente. Comparado com o efeito que teria sobre nossos predecessores.

Ele foi projetado especificamente usando técnicas de persuasão tecnológica altamente sofisticadas para mudar nossos pensamentos e comportamento. Essas técnicas podem tornar os usuários viciados e levar à escalada para gêneros de pornografia mais extremos.

Hoje, o vício em pornografia ou o uso problemático de pornografia afeta aproximadamente 5 a 8% da população adulta globalmente.

As pessoas viciadas em pornografia cibernética passam pelo menos 11 a 12 horas vendo pornografia online todas as semanas, embora esse valor possa ser muito maior. Por que isso está acontecendo?

Afetando negativamente o cérebro

Causa nº 1 para o vício em pornografia

Uma pesquisa realizada pela American Neuroscience Association mostrou que 1 em cada 6 pessoas nos Estados Unidos apresenta sintomas leves ou graves de vício em pornografia.

Ele também fornece dados de que pessoas na faixa etária de 14 a 36 anos são mais propensas a desenvolver um vício em pornografia hoje em países em desenvolvimento.

A maioria das pessoas entrevistadas admitiu assistir pornografia apenas como um prazer culpado no começo. Mas, com o passar do tempo, eles passaram a passar cada vez mais tempo na internet vendo material pornográfico.

Isso ocorre porque assistir pornografia é um comportamento altamente escalonado.

Se você está acostumado a se entregar à pornografia uma vez por semana e isso lhe trouxe imensa satisfação até agora, você perceberá depois de algum tempo que apenas assistir uma vez por semana não satisfará mais suas necessidades.

Como é que isso funciona?

O consumo frequente de pornografia leva à escalada. Isso é resultado da natureza viciante da pornografia. Quanto mais pornografia você assiste, mais você deseja.

Mas, o que é interessante aqui é que você desejará doses maiores a cada vez. Com o passar do tempo, os consumidores de pornografia precisam de doses cada vez maiores de material pornográfico para sentir o mesmo nível de satisfação que sentiram na última vez que assistiram.

Hoje você pode se sentir satisfeito depois de assistir a um vídeo pornô, mas em dois ou três dias, você se verá consumindo três vídeos por dia.

Esse processo de escalada não se aplica apenas à quantidade de pornografia que você assiste.

Também inclui o tipo de pornografia que você escolhe assistir.

Este processo de escalada não se aplica apenas à quantidade de pornografia que você assiste. Também inclui o tipo de pornografia que você escolhe assistir. Geralmente, começa-se com pornografia softcore e, em poucos meses, acaba procurando pornografia mais extrema e hardcore. Conforme a escalada do comportamento entra em vigor, os consumidores de pornografia anseiam cada vez mais por pornografia, mas começam a aproveitá-la cada vez menos ao mesmo tempo.

Efeito da pornografia no cérebro

Você está se perguntando por que a pornografia é tão viciante? O que a torna um comportamento crescente? Quais são os efeitos que tem no meu cérebro? Temos todas as respostas para você!

A resposta simples seria: a pornografia funciona de maneira semelhante às drogas. Como o efeito de uma droga pode diferir de pessoa para pessoa, é o mesmo com a pornografia.

Assim como as substâncias viciantes, as cenas pornográficas causam hiperestimulação, o que leva a níveis extremamente altos de secreção de dopamina no cérebro.

Isso é altamente antinatural. Quanto maior a indulgência, maior o nível de dopamina secretada. Isso bagunça o sistema de recompensa de dopamina em seu cérebro.

Como resultado, seu cérebro para de responder a outras fontes naturais de prazer. À medida que isso se torna um hábito, seu cérebro lentamente começa a associar pornografia com dopamina.

É assim que começam os desejos.

O principal culpado

A única coisa que a pornografia mais afeta no cérebro humano é o nível de dopamina.

A dopamina é um tipo de neurotransmissor. Seu corpo o produz e seu sistema nervoso o usa para enviar mensagens entre as células nervosas. Também conhecido como mensageiro químico.

A dopamina desempenha um papel na forma como sentimos prazer. É uma grande parte de nossa capacidade humana única de pensar e planejar.

Isso nos ajuda a nos esforçar, focar e achar as coisas interessantes.

O verdadeiro problema com a pornografia e a dopamina é que a pornografia é tão acessível graças à internet. Para entender isso, devemos considerar o Efeito Coolidge, que afirma que com o tempo , o desejo sexual diminuirá com um único companheiro e aumentará com um novo.

De acordo com esta teoria, o desejo sexual aumenta a partir de um fator de “novidade”. Agora, traga a pornografia para a equação.

Temos uma afinidade de querer coisas “novas” porque elas produzem mais dopamina – mais excitação – e com a pornografia as opções para novas pessoas são infinitas.

A pornografia literalmente muda nosso cérebro para desejar mais pornografia, assim como beber refrigerante fará com que você queira mais refrigerante, ou que comer doces fará com que você queira mais doces.

Nossos cérebros ficam “programados” para ter pornografia e procurá-la.

Concluindo, saber que seu impulso de ver pornografia tem uma forte ligação com a forma como seu cérebro está conectado ajudará no processo de recuperação. Abandonar a pornografia não é apenas abster-se dela, mas reconectar seu cérebro para parar de desejar aquelas doses de dopamina.

Pesquisa Conduzida:

O Salk Institute realizou um estudo este ano que investiga o efeitos da dopamina nas decisões de camundongos.

O Instituto Salk realizou um estudo este ano que investiga os efeitos da dopamina nas decisões de ratos. O estudo acompanhou ratos enquanto eles tomavam decisões que exigiam o acionamento de duas alavancas diferentes para obter uma recompensa com base em quanto tempo as alavancas haviam desaparecido. Se os gatilhos desaparecessem por 2 segundos, os ratos eram recompensados por apertar o gatilho esquerdo e em 8 segundos eles recebiam uma recompensa do gatilho direito.

Os cientistas perceberam que os camundongos estavam aprendendo rapidamente quando trocar de lado para receber a guloseima.

Os cientistas perceberam que os ratos estavam aprendendo rapidamente quando deveriam trocar de lado para receber o tratamento. Usando varreduras cerebrais em tempo real, os cientistas foram capazes de discernir que os ratos estavam tomando as decisões em correlação com a liberação de dopamina. Isso sugere que a dopamina tem mais a ver com decisões contínuas do que com o processo inicial de aprendizagem.

A ideia de que a dopamina está realmente ajudando na tomada de decisões ajuda a explicar o que acontece durante o vício ou quando escolhemos comportamentos que neutralizam nossas crenças, especialmente sob o risco de sentimentos negativos (culpa, vergonha etc.). Essas descobertas também sugerem que a alteração da relação dinâmica entre a dopamina e as ações permitiria aos dependentes um melhor controle de suas ações.

Essas descobertas também sugerem que alterar a relação dinâmica entre a dopamina e as ações permitiria que os dependentes tivessem um melhor controle de suas ações.

O desejo por dopamina é tão forte que pode superar os mecanismos de defesa do nosso corpo contra comportamentos pouco recompensadores.

O desejo por dopamina é tão forte que pode superar os mecanismos de defesa do nosso corpo contra a realização de comportamentos não recompensadores. É por isso que muitos homens e mulheres (sim, as mulheres também assistem a pornografia) continuarão a assistir pornografia mesmo sabendo que é errado ou por que um viciado em drogas continuará a usá-la mesmo às custas de sua própria saúde.

Em termos simples:

No momento em que você para de alimentar seu cérebro com esse conteúdo, a dopamina também para e é aí que as coisas podem ficar feias.

Pode levar a várias disfunções sexuais e distúrbios de saúde mental. Os consumidores compulsivos de pornografia relataram sintomas depressivos mais altos, qualidade de vida geralmente inferior e saúde adequada em comparação com aqueles que não consomem pornografia regularmente.

As pessoas que se identificaram como tendo comportamentos sexuais compulsivos mostraram mais reatividade no cérebro em comparação com aquelas que se identificaram como não compulsivas.

Assim, ver pornografia, especialmente quando ela se torna compulsiva por natureza, ativa as mesmas redes cerebrais subjacentes que o álcool e outras drogas.

Disfunção aumentada

A dessensibilização de nosso circuito de recompensa prepara o terreno para o desenvolvimento de disfunções sexuais, mas as repercussões não param por aí.

Estudos mostram que mudanças na transmissão de dopamina pode facilitar a depressão e a ansiedade.

De acordo com essa observação, os consumidores de pornografia relatam maiores sintomas depressivos, menor qualidade de vida e pior saúde mental em comparação com aqueles que não assistem pornografia.

A outra descoberta convincente neste estudo é que os consumidores compulsivos de pornografia descobrem que querem e precisam de mais pornografia, embora não gostem necessariamente. Essa desconexão entre querer e gostar é uma característica marcante da desregulação do circuito de recompensa.

Essa desconexão entre querer e gostar é uma característica marcante da desregulação do circuito de recompensa.

Seguindo uma linha de investigação semelhante, pesquisadores do Instituto Max Planck em Berlim, Alemanha, descobriram que o uso mais alto de pornografia estava correlacionado com menos ativação cerebral em resposta a imagens pornográficas convencionais.

Isso explica por que os usuários tendem a se graduar em formas mais extremas e não convencionais de pornografia.

As análises do Pornhub revelam que o sexo convencional é menos preferido.

Apenas 16% dos usuários regulares do Pornhub gravitar em torno de vídeos convencionais, sem violência.

Hoje, os temas de violência e incesto são mais populares. Esses temas são cada vez mais populares nos bairros cristãos americanos.

Pornografia x vício em drogas

À medida que a dessensibilização e a escalada aumentam, também aumenta o nível de dependência. A jornada para se tornar viciado em pornografia geralmente segue o mesmo padrão do vício em drogas.

À medida que a dessensibilização e a escalada aumentam, também aumenta o nível de dependência. A jornada para se tornar viciado em pornografia geralmente segue o mesmo padrão do vício em drogas.

Dos videogames, jogamos aos filmes que assistimos, até mesmo aos sites de mídia social dos quais fazemos parte.

Mesmo que não haja conteúdo sexual direto nessas plataformas na maioria dos casos, há uma leve imagem sexual em todos os lugares que eles olham. Vivemos em um mundo onde tudo é altamente sexualizado, é especialmente difícil para a geração atual porque este é o mundo em que eles estão crescendo.

Mesmo que não haja conteúdo sexual direto nestas plataformas na maioria dos casos, há uma leve imagem sexual em todos os lugares que eles olham. Vivemos em um mundo onde tudo é altamente sexualizado, é especialmente difícil para a geração atual porque este é o mundo em que eles estão crescendo.

Os danos causados

Existe uma forte ligação entre o vício em pornografia e a saúde mental.

O vício está ligado à depressão, raiva , e ansiedade.

Uma vez que você se torna autoconsciente de sua natureza viciante, a sensação de estar fora de controle causa uma grande quantidade de sofrimento mental. Pode fazer uma pessoa deixar de ser uma borboleta social extrema para evitar todas as reuniões / eventos sociais. Isso é resultado da ansiedade social.

Em palavras simples, a ansiedade social é sentir-se desconfortável perto de outras pessoas.

As pessoas que passam por isso podem sentir que não têm muito a acrescentar às conversas. A pornografia e o vício em pornografia podem causar ansiedade social pelos seguintes motivos:

  • Isso cria uma sensação de desconforto constante. A maioria dos viciados evita falar abertamente sobre seu vício. Como resultado, a vida diária é obstruída por uma sensação eterna de culpa e desconforto.
  • 58% dos viciados em pornografia em todo o mundo foram diagnosticados com depressão, de acordo com os dados coletados pelo Salk Institute. Pessoas com pornografia ou qualquer vício semelhante, muitas vezes usam seus vícios como uma fuga temporária de seus sentimentos. Sentimentos especialmente negativos como raiva, tristeza, solidão ou mesmo tédio. Esse hábito pode facilmente levar a casos graves de depressão.
  • O vício desconecta você da sociedade. Quanto mais fundo você mergulha em um vício, mais fraca fica sua conexão com amigos e familiares. Como seres sociais, estamos conectados para ter relacionamentos e construir conexões com as pessoas ao nosso redor. O vício tira isso de você.
  • O estudo diz que 1 em cada 4 viciados admitiu sentir-se sozinho. O aumento do uso de pornografia dá origem à solidão e a solidão, por sua vez, leva ao aumento do uso de pornografia. Isso levou à solidão crônica em muitos casos.

O que faz com o corpo:

A disfunção erétil é mais comum entre homens viciados em pornografia< /a>, de acordo com os resultados da pesquisa apresentada pela American Urological Association no início deste ano.

Eles também mostram menos satisfação nas relações sexuais. Para o estudo, os pesquisadores entrevistaram 312 homens, com idades entre 20 e 40 anos, que visitaram uma clínica de urologia em San Diego para tratamento.

Apenas 3,4 por cento dos homens disseram que preferiam se masturbar à pornografia em vez de relações sexuais, segundo a pesquisa.

Mas os pesquisadores encontraram uma forte ligação entre a pornografia e a disfunção sexual.

Os especialistas dizem:

O pesquisador principal, Dr. Mathew Christman, diz: “As taxas de causas orgânicas de disfunção erétil nessa faixa etária são extremamente baixas, portanto, o aumento de disfunção erétil que vimos ao longo do tempo para este grupo precisa ser explicada, acreditamos que pornografia pode ser uma peça desse quebra-cabeça.”

“A pornografia na Internet, especificamente, tem se mostrado um estímulo sobrenatural desse circuito, que pode ser devido à capacidade de se auto-selecionar de forma contínua e instantânea o romance e imagens mais sexualmente estimulantes”, acrescentou.

Assistir muita pornografia na internet pode aumentar a “tolerância” de uma pessoa, da mesma forma que com os narcóticos, explicou Christman. Observadores regulares de pornografia são menos propensos a responder a atividades sexuais regulares no mundo real e devem depender cada vez mais da pornografia para liberação.

Este é um grande problema que muitos enfrentam.

Além deste vício em pornografia também pode levar a contagens diminuídas de testosterona e casos mais elevados de insônia. Um vício que frita o cérebro e o corpo humano, drenando toda a energia e vontade de viver da pessoa.

Conclusão

Assistir pornografia tem sido associado a uma infinidade de problemas para indivíduos e para a sociedade em geral – mas para cada estudo difamando, outro limpa seu nome.

Frequentemente, as evidências são mistas e os métodos de pesquisa e o tamanho das amostras dos estudos têm suas limitações.

Será que o futuro da pornografia cada vez mais envolvente pode trazer mais riscos? Eu acredito que este artigo deve responder isso para você. A pornografia e toda a indústria em torno dela são problemáticas. Atualmente está causando mais mal do que bem. A partir da pesquisa realizada e das informações coletadas, podemos ver claramente o efeito negativo da pornografia.

A partir da pesquisa realizada e das informações coletadas, podemos ver claramente o efeito negativo da pornografia.

Não é hora de fazermos algo sobre este problema? Compartilhe suas idéias nos comentários abaixo.

What’s your Reaction?
+1
1
+1
0
+1
0
+1
0

Sobre BlockerX

BlockerX é um aplicativo de bloqueio de conteúdo adulto para Android, iOS, desktop e Chrome. Além de bloquear conteúdo adulto, o BlockerX também possui uma forte comunidade de 100.000 membros e cursos que ajudam você a resolver seus problemas de pornografia, um passo de cada vez.

Postagens Relacionadas

Sobre BlockerX

BlockerX é um aplicativo de bloqueio de conteúdo adulto para Android, iOS, desktop e Chrome. Além de bloquear conteúdo adulto, o BlockerX também possui uma forte comunidade de 100.000 membros e cursos que ajudam você a resolver seus problemas de pornografia, um passo de cada vez.